Passado/Presente

a construção da memória no mundo contemporâneo

Revisitar a indisciplina

Posted by Miguel Cardina em 30-11-2006

Anti-Disciplinary ProtestOs anos sessenta têm servido de objecto a um conjunto diversificado de estudos que visam demonstrar a importância e especificidade desse período histórico na definição da contemporaneidade. Em Anti-Disciplinary Protest. Sixties Radicalism and Postmodernism, a australiana Julie Stephens procura mostrar a correspondência existente entre o radicalismo deste período e a pós-modernidade, rejeitando a leitura comum que descobre uma relação entre o fracasso dos sixties e o desespero político posterior. Ao mesmo tempo, a autora propõe um modo alternativo de equacionar a herança da década, assente na ideia de que foi o sucesso deste movimento, e não o seu fracasso, que abriu caminho ao acolhimento de algumas noções hoje dominantes sobre a política e o político. Por outras palavras, o desencantamento político trazido pela pós-modernidade foi o resultado do reencantamento do político efectuado pela contracultura dos anos sessenta. A tese de Stephens é, no entanto, um pouco mais complexa, introduzindo uma nuance significativa: se, por um lado, a contracultura abriu caminho ao entendimento da política como impasse, por outro, ela não abdicara de um certo ideal difuso de emancipação, ainda que o tenha reconfigurado radicalmente a partir do carácter paródico das suas intervenções.

Para se entender os contornos desta ligação, é necessário ter presente a noção de «protesto anti-disciplinar», eixo conceptual através do qual se vai desdobrando o texto. Para Stephens, a radicalidade dos anos sessenta resulta da invenção de uma nova linguagem de protesto, marcada pela celebração da ambiguidade e por uma recusa da «disciplina do político» (p.23). Partindo de uma re-leitura da década que se concentra em algumas vertentes mais radicais da contracultura, geralmente desconsideradas, a autora contesta as interpretações que descrevem os anos sessentaa partir de distinções rígidas como as efectuadas entre activistas e hippies, políticos e apolíticos, radicalismo político e radicalismo cultural.

A nova linguagem de protesto caracteriza-se precisamente por uma transgressão deliberada destas distinções. É isso que Stephens procura demonstrar recorrendo à evocação de acontecimentos como a tentativa de levitação do Pentágono, encenada em 1967, ao exame de práticas e discursos de grupos como os Yippies e os Diggers ou à análise do conceito de «livre», entendido já não apenas como resgate dos constrangimentos sociais, económicos e políticos, à maneira da esquerda tradicional, mas também como uma espécie de «qualidade corpórea» de «ressonâncias metafísicas» (p.43). Longe de ser apolítica, esta nova linguagem afastava-se, isso sim, da ideia de que o político se definisse em torno de noções como organização, hierarquia e liderança. Criticando a inteligibilidade e a coerência ou, dito de outro modo, a racionalidade herdada do Iluminismo, o radicalismo sixtie abriu caminho a um repensamento do sentido e do carácter do político. [mais>>]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: